Tabla de contenidos

A segurança e a higiene são duas das peças-chave nas cozinhas industriais (bares e restaurantes, hospitais, hotéis ou escolas, entre outros), devido ao elevado volume de trabalho e ao grande número de pessoas que são servidas diariamente por este setor.

As cozinhas são lugares propensos a acidentes, não só porque se utilizam objetos como facas ou tesouras, mas especialmente pelo uso do fogo, que pode se espalhar rapidamente para outras áreas e representar um perigo para as pessoas e para o estabelecimento. Precisamente devido ao alto risco que existe nestes espaços de trabalho, a segurança torna-se um elemento totalmente indispensável, em que se deve concentrar todos os esforços e em que as normas vigentes devem ser aplicadas conscientemente.

Para garantir a segurança nas cozinhas industriais deve-se prestar especial atenção a uma série de elementos descritos abaixo.

Instalações

Na fase da conceção das instalações é onde se devem tomar as primeiras medidas em relação à segurança. É aqui onde se deve decidir e avaliar a localização de cada elemento que formará parte da cozinha, bem como das instalações de gás ou de eletricidade, evitando, por exemplo, que as tomadas se encontrem perto de pontos de água.

Para evitar possíveis acidentes é absolutamente necessário que os equipamentos existentes (cozinha, fritadeiras, churrasqueiras, fogões, fornos, exaustores, extintores…) se encontrem em perfeitas condições, de modo a passarem nas revisões e serem aprovados.

A prevenção dos incêndios é outro dos pontos em que se deve dar mais importância nas cozinhas industriais, já que são consideradas como locais de risco especial quando a sua potência excede os 20kW. As cozinhas que ultrapassem esta potência têm de cumprir vários requisitos, a fim de evitar incêndios derivados da sua atividade.

A ventilação e a exaustão de fumaça é um dos pontos mais importantes dentro de uma cozinha industrial. Os exaustores são elementos absolutamente necessários, uma vez que são responsáveis ​​por eliminar os vapores emergentes da cozinha, os quais vão carregados com partículas de gordura e óleo. Estes sistemas de exaustão devem garantir a evacuação de fumaça a elevadas temperaturas, e a sua conduta de exaustão ou chaminé tem de ser capaz de resistir à passagem das chamas, calor e gases durante um tempo determinado. Graças ao uso dos sistemas de exaustão se garante uma adequada quadlidade do ar, eliminando ou reduzindo consideravelmente as partículas em suspensão e os agentes contaminantes.

Além disso, as cozinhas industriais devem ter sistemas de extinção automática (sprinkler de incêndio), que são ativados quando detetam uma determinada temperatura, abrindo-se para descarregar água, facilitando a extinção do fogo nas fases mais iniciais, evitando queimar as instalações na sua totalidade.

Além de contar com todos os equipamentos de prevenção designados, nestes locais de trabalho também é essencial instalar portas automáticas resistentes ao fogo. As portas resistentes ao fogo Manusa cumprem com uma missão clara, a de separar zonas, atuando como uma barreira entre a área onde se formou o fogo e os demais espaços, evitando a propagação do fogo fora da sua área de origem. As portas resistentes ao fogo, além de cumprirem com a funcionalidade própria das portas automáticas, constituem uma barreira, impedindo a passagem de chamas e gases durante um determinado tempo, travando, assim, a passagem de temperatura na superfície da porta que não está exposta às chamas. Desta forma, se delimita e se garante a segurança dos trabalhadores, dos clientes, e dos diferentes espaços existentes dentro de um mesmo edifício.

Além de portas resistentes ao fogo, é também aconselhável ter portas com mecanismo antipânico integral, porque quando é necessária a evacuação de um local, facilitam um espaço de passagem maior em situações de emergência, ao permitir a abertura das folhas fixas e móveis para o exterior, através de um impulso manual simples, facilitando a desocupação do local em um curto espaço de tempo e maximizando a segurança dentro das instalações. Estas portas oferecem a funcionalidade de portas automáticas convencionais mais a garantia de segurança que oferecem na hora de evacuar as instalações.

Em relação aos revestimentos dos locais, também têm de cumprir com uma série de requisitos, ou seja, têm de evitar elementos que ajudem a propagação do fogo como os tapetes, cortinas, papel de parede, tapeçaria, parquet, etc.

Finalmente, queremos destacar que é absolutamente necessário que as cozinhas disponham de um plano de emergência e de evacuação, o que implica ter uma correta sinalização, elementos de extinção e deteção de incêndios devidamente aprovados e uma formação adequada ao pessoal da cozinha, de modo a prevenir os riscos profissionais.

Graças ao cumprimento correto das normas vigentes e à instalação de sistemas anti-incêndio, a segurança é aumentada nas cozinhas, assim como a dos clientes e dos trabalhadores, tornando muito mais agradável a experiência para todos as pessoas envolvidas.

Manusa Portas Automáticas