Empresas, fábricas, edifícios de escritórios ou centros comerciais, entre outros, precisam fazer uso de uma grande quantidade de energia elétrica todos os dias para poder realizar sua atividade diária. Nesta nova era tecnológica conhecida como a quarta revolução industrial ou revolução 4.0, as empresas buscam a diferenciação, tentando agregar valor à sua marca, e uma boa maneira de consegui-lo é através da economia de energia.

O desenvolvimento da atividade dos edifícios supõe mais de 40% da energia consumida a nível mundia l, com a contaminação que isso implica. Para conseguir uma redução no consumo elétrico, é necessário realizar um investimento inicial considerável nas estruturas dos edifícios. No entanto, esse investimento seria recuperado em um curto espaço de tempo, graças à economia de energia derivada dessas medidas corretivas.

Na Europa, o chamadoobjetivo 20-20-20 foi estabelecido para tentar aliviar o gasto de energia derivado da atividade dos edifícios. O objetivo é reduzir as emissões de poluentes em 20% até 2020, aumentando, assim, a adoção de energia alternativa em mais 20%. Em outras palavras, se está procurando um consumo quase nulo dos edifícios e fábricas, e para isso têm de ser capazes de se autoabastecer mediante energias limpas.

Vantagens derivadas da economia de energia

Os smart buildings ou smart factories são um dos padrões da revolução 4.0. As fábricas inteligentes têm como objetivo principal a alocação inteligente de recursos disponíveis, fazendo menos uso das fontes de energia convencionais e mais de energias limpas ou renováveis, reduzindo os custos e sendo muito mais eficiente em termos de sustentabilidade, algo que atualmente os clientes valorizam cada vez mais.

  • A conscientização social sobre a problemática ambiental é uma realidade, e está comprovado que os usuários estão dispostos a pagar mais se tiverem a certeza de que o produto ou serviço foi fabricado de acordo com os padrões de sustentabilidade atuais, isto é, as empresas que estão mais envolvidas na otimização e no uso correto dos recursos energéticos verão a imagem da marca melhorada.

 

  • A eficiência energética reduz os custos de energia dos edifícios e fábricas, tornando as empresas mais competitivas graças à redução dos custos de produção e à economia econômica que isso implica.

 

  • A inclusão das novas tecnologias, das energias renováveis ​​e um uso muito mais responsável de qualquer fonte de energia não só irá melhorar a conceção do usuário da marca ou empresa, como também abrirá uma verdadeira variedade de oportunidades de emprego. Os técnicos de áreas como arquitetura, engenheiros, informática, designers de interiores, urbanistas e profissionais das novas tecnologias da informação (TIC), entre outros, têm diante deles a oportunidade de desenvolver novos sistemas, programas e equipamentos que melhorem as instalações em termos de eficiência energética, ajudando a reduzir a poluição causada pelas emissões de poluentes para a atmosfera.

Embora seja cedo para falar sobre o impacto real que os novos postos de trabalho podem gerar em breve, se pode efetuar uma estimativa, considerando que o emprego derivado deste novo modelo de construção inteligente em 2012 representou cerca de 300 mil novos empregos, apenas nos Estados Unidos.

 

  • Independência energética. Muitos países têm uma grande dependência de energia externa, atingindo em muitos casos 80%. O uso de energias renováveis ​​reduz essa dependência, favorecendo o trabalho local e reduzindo os gastos derivados da compra de energia estrangeira.

 

  • Benefícios ambientais. As grandes cidades são as áreas mais afetadas em relação à qualidade do ar devido à falta de vegetação e à grande concentração de edifícios, pessoas, meios de transporte, indústria, etc. Para tentar abrandar esta situação é necessário optar por medidas paliativas, como a redução do uso de energia elétrica e um maior uso de energias naturais, como a energia solar, eólica ou geotérmica.

Graças ao uso de energias limpas e sustentáveis, o consumo de recursos naturais é diminuído, reduzindo os danos ambientais, a poluição, os resíduos e o impacto dos gases que causam o efeito de estufa.

 

Além de poupar em termos econômicos, optar por fontes de energia alternativas significará uma melhoria do meio ambiente e da saúde das pessoas.

  • Impulso à inovação. Derivado da necessidade de equipamentos elétricos, edifícios, fábricas e residências mais eficientes, a I+D é impulsionada e investida, o que favorece significativamente o desenvolvimento social, tecnológico e humano. Graças a este desenvolvimento se alcançam grandes avanços em um período muito mais curto, conseguindo, por sua vez, uma maior diversificação industrial e uma melhoria na qualidade de vida do ser humano.

Manusa Portas Automáticas