Os acessos automáticos em meios de transporte se tornam necessários por muitas razões, especialmente pelas relacionadas com a segurança, acessibilidade e fluidez do tráfego de passageiros.

Acessos automáticos em estações ferroviárias

O grande número de passageiros que passam pelas estações torna necessário dispor de sistemas de portas automáticas que facilitem o fluxo e a livre passagem de usuários e suas bagagens.

Através da instalação de portas automáticas de correr padrão, é garantida a segurança dos usuários, bem como a fluidez do tráfego dos mesmos.

Além disso, é importante salientar que as portas automáticas, permanecendo abertas apenas quando necessário, evitam que as trocas de temperatura ocorram entre o interior e o exterior do recinto. Deste modo, se aumenta a economia de energia, facilitando a passagem de Pessoas com Mobilidade Reduzida, e melhorando também o conforto do viajante.

As portas automáticas têm várias vantagens em relação às portas de batente tradicionais, e uma delas é o baixo impacto derivado de sua instalação e manutenção. Além disso, graças ao seu sistema de fechamento e abertura, se obtém um elevado grau de economia de energia.

Para conseguir esta economia de energia, as portas automáticas têm de cumprir uma série de requisitos, tais como:

Acessos automáticos em infraestruturas de transporte ferroviário

  • Que os ciclos de fechamento e abertura sejam os mais curtos possíveis, de modo a evitar que a temperatura no interior do edifício se dissipe, e que a do exterior entre nos ambientes internos.
  • As portas automáticas devem conter um elevado grau de estanqueidade para evitar que se produzam infiltrações de ar externo.

Se as portas automáticas instaladas nas estações cumprirem esses requisitos, além de se economizar em termos de energia gera ganhos economicos ao cliente e serão reduzidas as emissões de poluentes na atmosfera. Além disso, o conforto dos usuários será significativamente aumentado, resultando em uma maior reputação para o transporte público e, neste caso, para o transporte ferroviário.

  • Corredores antirretorno. Os corredores antirretorno Toran da Manusa foram projetados para satisfazer as necessidades de segurança de aeroportos, terminais marítimos ou ferroviários, e infraestruturas de transporte público em geral. A principal função dos corredores antirretorno é permitir o tráfego de passageiros e mercadorias de forma segura, fluída e unidirecional a partir de zonas de segurança crítica, como áreas de desembarque de passageiros, para áreas de menor segurança, como na retirada de bagagem.
  • Barreiras tarifárias: Validadoras – PAR de transporte, também conhecidas como corredores automáticos reversíveis. Embora os corredores validadadores de bilhetes PAR da Manusa possam ser instalados em diversos meios de transporte, eles são um dos sistemas de controle de acesso de passageiros mais difundidos nas estações ferroviárias, graças à sua alta segurança, rapidez e facilidade de uso.
  • Portas de Plataformas. O principal objetivo das portas PSD é separar as vias da plataforma, impedindo quedas acidentais, evitando atos de vandalismo, e reduzindo o conhecido efeito pistão que ocorre nas estações de metrô.
  • Portas de plataforma PSD (Platform Screen Doors). As portas de plataforma foram especialmente projetadas para garantir a segurança e o conforto dos usuários, e para atender à alta demanda tanto do tráfego ferroviário, como dos sistemas de ônibus ou sistemas de metrô nas cidades.
  • Portas de plataforma de meia altura PSG (Platform Screen Gates). Funcionam da mesma forma que as portas de plataforma PSD, porém, neste caso, as plataformas são fechadas com anteparas de portas automáticas a meia altura; isso garante a segurança das plataformas, mas elimina a sensação de redução de espaço.

Um exemplo dessas portas automáticas de plataformas podem ser encontradas na estação Can Cuiàs, na linha 11 do metrô de Barcelona. Este projeto, formado por um total de 40 portas PSD, foi realizado entre 2007 e 2009, sendo também a primeira estação na Espanha a dispor de portas automáticas PSD que interagiram com o trem de forma totalmente automática.

  • Portas corta-fogo. Tanto nas estações ferroviárias como naquelas em que há um grande fluxo de passageiros, é necessário ter elementos capazes de garantir a segurança dos usuários em caso de incêndio. As portas resistentes ao fogo da Manusa são projetadas para setorizar zonas e para impedir a propagação do fogo fora delas por 30 ou 60 minutos, delimitando diferentes espaços dentro do mesmo edifício.

Como se pode observar, os acessos automáticos são muito importantes em qualquer infraestrutura de transporte, devido ao grande número de pessoas que os utilizam diariamente.

Manusa propõe soluções para as instalações de transporte, se adaptando à demanda de segurança e de conforto dos passageiros, graças ao uso de tecnologia sofisticada e a seus mais de 50 anos de experiência no setor.

Manusa Portas Automáticas