O termo eco-bairro refere-se aos ambientes urbanos caracterizados por serem sustentáveis ao mesmo tempo que ecológicos.

A principal característica destes ambientes é que tentam minimizar o impacto que produzem no meio ambiente, impacto causado pela atividade do ser humano e pelos próprios mecanismos utilizados pelos bairros.

Os Eco-bairros têm de cumprir uma série de requisitos, tanto os recém-construídos como aqueles que desejam ser reabilitados:

  • Fechar o ciclo da água, ou seja, recolher água da chuva para uso posterior, e utilizar cisternas a fim de aproveitá-la.
  • Poupar energia, água e materiais.
  • Incorporar a natureza no ambiente do bairro, promovendo a biodiversidade.
  • Aproveitar as vantagens climáticas.
  • Criar um ambiente atraente e sustentável para viver e trabalhar.
  • Encurtar as distâncias do bairro e conectá-lo adequadamente com a cidade.
  • Proporcionar os espaços relevantes para fornecer serviços básicos que simplifiquem a vida dos seus habitantes.

Que medidas pode adotar um bairro ou uma cidade para ser mais ecológico?

Pode-se colocar como exemplo um dos primeiros eco-bairros da Europa, o bairro de Vauban, em Friburgo, Alemanha. A sua principal característica é que 65% da eletricidade consumida é produzida através do uso de painéis solares, o que supõe uma enorme economia de energia. O aquecimento necessário para os meses de inverno funciona graças a uma planta geral que se abastece de painéis solares e lascas de madeira, que são capazes de reduzir as emissões de CO2 até 60%. Em Vauban, os residentes podem prescindir dos seus próprios veículos, uma vez que dispõem de uma extensa rede de ciclovias, e todas as vivendas dispõem de paragens  de elétrico ou autocarro nas proximidades. Além disso, os veículos estacionam na periferia, reduzindo-se consideravelmente o número de veículos que circulam nas ruas do bairro.

Em Londres, Inglaterra, podemos encontrar como exemplo de eco-bairro o Bed-Zed, um bairro cujo consumo de energia a partir de fósseis é zero, graças à utilização de painéis fotovoltaicos, ventilação cruzada, telhados verdes, iluminação natural, ou o isolamento correto de fachadas, portas e janelas. É através destas iniciativas que se consegue reduzir praticamente a zero o uso e consumo de equipamentos de aquecimento e ventilação.

Podem-se encontrar outros exemplos de bairros verdes ou eco-bairros em lugares como Hammarby Sjöstad, Estocolmo, Suécia, ou em Niewland Amersfoort, Holanda.

Um eco-bairro tem de ir além da ecologia e da eficiência, tem de ser uma entidade viva, em que todos e cada um de seus habitantes cooperem para alcançar estes padrões de sustentabilidade, tornando o bairro uma parte intrínseca e essencial da cidade. Além disso, os eco-bairros têm a obrigação de reduzir as emissões de CO2 e de energias que não são consideradas limpas, principalmente no desenvolvimento de sistemas que permitam obter energia limpa e reutilizável que não prejudique a saúde do nosso planeta nem das pessoas que se encontram nele.