As portas automáticas são um elemento fundamental de segurança, acessibilidade e conforto em muitos edifícios. Além disso, também são um exemplo de inovação e de como a tecnologia avançou nos últimos anos. No entanto, sendo um objeto de uso cotidiano, cujo principal objetivo é passar despercebido, é evidente que não lhe prestamos tanta atenção como a um celular, computador ou televisão. Porém, vamos parar e pensar em como eram há uns anos as portas automáticas de um hospital, de um centro comercial ou de um edifício de escritórios, e como são agora. Atualmente, as portas automáticas são leves, seguras, energeticamente eficientes e silenciosas. Nada a ver com os primeiros modelos que começaram a aparecer em meados do século XX.

Para chegarmos à origem das portas automáticas, temos de voltar à Grécia Antiga. Heron de Alexandria, criador de numerosas invenções que evoluíram até hoje, projetou um sistema de abertura para as portas dos templos gregos com vapor de água. Isso transmitia pressão suficiente para mover a porta, usando um sistema de polias e transmissões.

No entanto, a história das portas automáticas, tal como as conhecemos hoje, começa com o surgimento do motor elétrico, no século XIX. Este motor permitiu aperfeiçoar as técnicas utilizadas até agora e, na década de 1920, a empresa Overhead Door Corporation projetou a primeira porta automática de garagem ascendente. Mais tarde, em 1931, foi projetado o primeiro modelo de um dispositivo que provocava a abertura de uma porta automaticamente. Estava instalado em um restaurante em Connecticut. Esse sistema permitia que os garçons circulassem entre a cozinha e o restaurante enquanto transportavam pratos de comida ou bebidas, e tinham as mãos ocupadas.

Nas décadas seguintes, começaram a desenvolver-se diferentes modelos: dobráveis, deslizantes, inclináveis, entre outros. Um dos primeiros lugares em que começaram a ser usadas as portas automáticas ​​foi nos elevadores. Em 1957, nos Estados Unidos, foi instalado um sistema de portas automáticas nos elevadores de passageiros, o que marcou o início do fim da profissão de operador de elevador.

Pouco a pouco, o uso e a segurança das portas automáticas foi melhorado. Foi nos anos 70, quando surgiram os primeiros sistemas de controle remoto, que permitiam abrir e fechar à distância. Com o passar do tempo, foram se modernizando e introduzindo mudanças nos sistemas de fabricação até chegar aos dias de hoje, onde se deu um salto na tecnologia e na qualidade desses sistemas.

Diferenças entre as portas automáticas do final do século XX e as atuais

 

Quais são as principais diferenças entre as portas do final do século XX e as atuais?

  • Manutenção. As portas automáticas dos anos 80 exigiam uma manutenção mais constante, já que não costumavam ser tão seguras e confiáveis ​​quanto as atuais. Atualmente, com os padrões de qualidade e segurança que devem ser levados em conta em seu projeto, fabricação e instalação, a manutenção é mais segura e rápida, e muitos problemas são evitados. Além disso, confiabilidade e usabilidade são garantidas.
  • Ruído. As portas automáticas atuais são silenciosas e possuem um sistema de abertura suave e fechamento amortecido, enquanto há alguns anos atrás o mecanismo de funcionamento era ouvido toda vez que as portas abriam e fechavam.
  • Segurança. Hoje em dia, os sistemas de controle de acesso, os mecanismos anti-esmagamento e anti-encravamento, entre outros, oferecem uma maior segurança tanto na circulação de pessoas, quanto na proteção do edifício. Além disso, existem modelos resistentes ao fogo, portas com sistema antipânico integral, vidros anti-estilhaços ou se pode alterar o tempo de abertura para melhorar a segurança.
  • Consumo energético. As primeiras portas automáticas tinham um elevado consumo de energia, uma vez que os motores que eram usados ​​não eram tão evoluídos quanto os de hoje em dia. Atualmente, uma porta automática, tecnicamente otimizada, tem um consumo energético muito pequeno, e é um elemento de grande impacto na sustentabilidade de um edifício.
  • Simplicidade. As portas automáticas atuais são mais simples e leves do que os modelos anteriores, que eram muito mais pesadas e necessitavam de mais energia para funcionar.
  • Variedade. Com o passar do tempo, a tecnologia permitiu o design de diferentes modelos de portas automáticas, não apenas as portas deslizantes padrão. Atualmente, podemos encontrar telescópicas, curvas, giratórias, herméticas, entre outras.
  • Design. O design está desempenhando um papel fundamental nesta evolução das portas automáticas. Passou de ter modelos padrão, onde o cliente escolhia o que mais se ajustava às suas necessidades, para a projeção de portas que se encaixam e se integram com o restante do edifício, que proporcionam distinção, elegância e design. Ao mesmo tempo, garantem funcionalidade, segurança e controle da temperatura interior. O cliente agora tem mais opções para escolher, de modo a que as portas automáticas se adequem às suas necessidades, e não o contrário.

Essas diferenças certamente serão aumentadas nos próximos anos. Os avanços tecnológicos e a Internet das Coisas permitirão grandes benefícios em termos de acessibilidade, conforto e segurança, e continuarão a ajudar as portas automáticas a passar despercebidas pelos usuários.